TEATRO
Acompanhe o melhor do teatro adulto e infantil! As principais estreias nos palcos estão aqui.
Não deixe de ler as matérias e críticas.

Críticas - Teatro Adulto

Sueno é a arte que coloca em pauta o terror das Ditaduras e o teatro que nos salva do caos
Publicado em 16/09/2023, 10:00
28
Facebook Share Button
Existem espetáculos que nos impactam de um modo tão grande, que definí-los através de palavras é muito difícil.
É uma apunhalada. É pra rir e se emocionar.
Uma mistura inteligente entre Shakespeare, Sonho de uma noite de verão e a ditadura chilena.
O ano é 1973, o ano do meu nascimento e o que já é marcante, fica mais ainda porque já era viva durante a Ditadura no Brasil e no Chile, mas por ser muito criança, só tive a real noção do pesadelo quando já estava na faculdade de História e comecei a me interessar pelo estudo das Ditaduras. Ora, é preciso falar sempre nos horrores dos governos autoritários e nos destroços que eles causam, e como causam, para que a democracia prevaleça SEMPRE.
Em Suēno, um grupo de teatro está ensaiando Sonho de uma Noite de Verão, de Shakespeare. Sonho e realidade se misturam na peça de Newton Moreno, assim como na peça do bardo inglês.
Um casal de militantes, Vine e Laura, foge de seu país, e é separado pela ditadura quando ela está grávida. Presa, ela acaba morrendo, vítima da vingança de um militar que por não ter o seu amor correspondido, expõe a moça, de uma família da elite chilena (filha de um minerador já falecido de extrema direita), aos horrores dos porões ocupados pelos prisioneiros políticos.
Vine é diretor da companhia que ensaia o clássico de Shakespeare e a peça não estreia devido devido ao exílio do artista.
Em seu exílio, Vine sonha todas as noites com a peça.
Com o fim da ditadura, em 1993, Vine retorna ao Chile com esperança. Estrear Sonho de uma noite de verão é questão de honra e
ele não descansará até reencontrar a sua família: a amada, que supõe estar viva, e a filha .
A mãe de Laura, uma socialite fútil, também vive em função do reencontro com a filha e neta. Quando ela finalmente descobre que a neta está viva, vai ao seu encontro, mas como ela culpa Vine por todo o mal que aconteceu à Laura, ela vai dificultar ao máximo o reencontro entre o pai e filha.
A tragédia acompanha a sina de Vine: o sonho de estrear a sua peça pode cai por terra diante da especulação imobiliária (uma grande construtora quer comprar o terreno de seu antigo teatro).
Para piorar a situação, ele descobre que Laura faleceu e o encontro com a sua filha acontece, mas é a solidificação de mais uma tragédia na sua vida por culpa da sua ex sogra.
O eco do autoritarismo é tamanho que por décadas o Chile viveu sob os tormentos causados por Pinochett e seus apoiadores. Toda a trama familiar de Suēno é apenas um pequeno retrato do quanto viver sob regime autoritário destrói vidas, amores e sonhos.
Nos momentos em que retrata a ditadura, o espetáculo é pesado, muitas vezes asfixiante. Nas cenas de Sonho de uma noite de verão a encenação ganha leveza, uma leveza necessária porque logo vem mais uma enxurrada de fatos impactantes, de fortes emoções.
Suēno é a esperança de uma América Latina livre, do teatro valorizado e do amor vencendo o ódio.
O teatro nos salva do caos e para Vine é o teatro que o coloca em conexão com o amor que sente por Laura, é o vetor de transformação da sociedade.
O que o manteve vivo no exílio foi o desejo de voltar à sua terra natal e finalmente estrear o projeto de sua vida, a encenação de Sonho de uma noite de verão.
Teatro, metateatro, amor, ódio, vingança, sonho, a realidade do terror da ditadura, a arte que salva do caos, incesto, a mesquinhez que devora a alma, a especulação imobiliária que ameaça a luz da arte... num emaranhado de fatos, emoções, tensões e reflexões, Suēno é o teatro que pulsa e coloca no palco questões pertinentes porque a ditadura, em pleno 2023, não é ficção. Acabamos de passar por uma pandemia e por um governo de tendências fascistas no Brasil. Suēno é ambientado no Chile, mas fala do quanto o teatro transforna e do quanto a liberdade é essencial para que o amor e o respeito emanem no mundo.
Através do onírico, da música executada ao vivo, da farsa, cenas milimetricamente desenhadas e interpretadas por excelentes atores, Suēno é um espetáculo que arrebata o público.

Ficha técnica
Dramaturgia e direção geral: Newton Moreno
Direção de produção: Emerson Mostacco
Direção musical: Gregory Slivar
Direção de movimentos: Erica Rodrigues
Elenco: Leopoldo Pacheco, Sandra Corveloni, Paulo de Pontes, José Roberto Jardim, Michelle Boesche, Simone Evaristo e Gregory Slivar (músico ao vivo)
Atriz criadora da primeira temporada: Denise Weinberg
Desenho de luz: Wagner Pinto
Figurinos: Leopoldo Pacheco e Chris Aizner
Adaptação de cenário: Equipe de criação do Sueño
Colaboração (cenário): Chris Aizner
Visagismo: Leopoldo Pacheco
Assistente de dramaturgia e pesquisador: Almir Martines
Assistentes de direção: Katia Daher (primeira etapa) e Erica Rodrigues 
Assistente de produção: Paulo Del Castro
Assistente de luz: Gabriel Greghi
Adereços e cenotécnico: Zé Valdir Albuquerque
Estrutura de box truss: Fernando Hilário Oliveira
Desenho de som: Victor Volpi
Operador de luz: Gabriel Greghi
Operador de som e microfone: Dugg Mont
Microfonista: Matheus Cocchi
Historiador e consultor shakespeariano: Ricardo Cardoso
Palestrante: Sérgio Módena
Assessoria de Imprensa: Itaú Cultural
Social media: Isis Böell
Designer: Leonardo Nelli Dias
Fotos: João Caldas
Assistente de fotografia: Andréia Machado
Produção audiovisual: Ìcarus
Apoio paisagístico: Assucena Tupiassu
Costureiras: Lande Figurinos e Judite de Lima
Equipe de montagem de luz: Gabriel Greghi e Gabriela Cezário
Equipe de montagem (cenário): F.S. Montagens e Paulo Amendola
Estagiários (primeira temporada): Camila Coltri, Fernando Felix e Marcelo Araújo
Estagiários (segunda temporada): Bianca Vizzoto, Eleonora Bronzolli, Heloísa Pereira e Igor Carvalho
Produção: Mostacco Produções
Idealização: Heroica Companhia Cênica
Realização: Itaú Cultural
Três excelentes atores que tenho o privilégio de acompanhar a trajetória, em trabalhos individuais e nas realizações como integrantes do saudoso grupo teatral Os Fofos:
Paulo Pontes é de uma versatilidade que merece menção. Com perfeição, vai do mais doloroso drama à comédia escrachada! Um show! Leopoldo Pacheco grande ator que faz com maestria um nojento que abusa de mulheres sem dó nem piedade e é um dos responsáveis pelos horrores da Ditadura. Quando o personagem está velho, perturbado, mas não menos escroto, Pacheco tem o ponto mais alto de um trabalho primoroso do início ao fim. Zé Roberto Jardim é a consagração de um ator seguro e que transmite com precisão os sonhos e o desespero do seu personagem ao constatar que a tragédia é algo que nunca deixará de estar presente no seu caminho
DE OLHO NA CENA ® 2015 - Todos os Direitos Reservados
. . . . . . . . . . . .

DE OLHO NA CENA BY NANDA ROVERE - TUDO SOBRE TEATRO, CINEMA, SHOWS E EVENTOS Sou historiadora e jornalista, apaixonada por nossa cultura, especialmente pelo teatro.Na minha opinião, a arte pode melhorar, e muito, o mundo em que vivemos e muitos artistas trabalham com esse objetivo. de olho na cena, nanda rovere, chananda rovere, estreias de teatro são Paulo, estreias de teatro sp, criticas sobre teatro, criticas sobre teatro adulto, criticas sobre teatro infantil, estreias de teatro infantil sp, teatro em sp, teatros em sp, cultura sp, o que fazer em são Paulo, conhecendo o teatro, matérias sobre teatro, teatro adulto, teatro infantil, shows em sp, eventos em sp, teatros em cartaz em sp, teatros em cartaz na capital, teatros em cartaz, teatros em são Paulo, teatro zona sul sp, teatro zona leste sp, teatro zona oeste sp, nanda roveri,

CRISOFT - Criação de Sites ® 2005
HOME PAGE | QUEM SOU | TEATRO ADULTO | TEATRO INFANTIL | MULTICULTURAL | CONTATO
CRÍTICAS OPINIÕES CINEMA
MATÉRIAS MATÉRIAS SHOWS
ESTREIAS ESTREIAS EVENTOS