Eventos: Sesc São Paulo recebe a 21 ª edição do festival Palco Giratório
Sesc São Paulo recebe a 21 ª edição do festival Palco Giratório com espetáculos de 3 a 26 de agosto

na capital e interior


Quatroloscinco, Cia. Marginal, Circo no Ato, Grupo Boca de Cena e Coletivo Lugar Comum são alguns dos 20 grupos, de todas as regiões do país, que vão circular pelas unidades 24 de Maio, Belenzinho, Bom Retiro, Campo Limpo, Ipiranga, Santo André, Jundiaí e Sorocaba



Press Kit: http://bit.ly/presskit_PalcoGiratorio


Boca de Cena_Foto Pritty Reis-2

Apresentação de abertura com o Grupo Teatral Boca de Cena-Aracaju (SE) no Sesc Ipiranga.

Dramaturgia de César Ferrário e direção de Fernando Yamamoto



O Sesc São Paulo vai receber no período entre 3 e 26 de agosto, em oito unidades da capital e interior, a 21ª edição do Palco Giratório, com 20 espetáculos de todas as regiões do país, em sua maioria inéditos no estado. A programação composta de teatro, dança e circo constitui um território de troca de experiências marcado pela diversidade de expressões, pensamentos e estéticas, que, além do circuito de espetáculos, propõe ações formativas e diálogos com os artistas. O festival já foi visto por 5,5 milhões de pessoas e é a maior ação do gênero no país.



Segundo Danilo Santos de Miranda, Diretor Regional do Sesc São Paulo, a contribuição oferecida pela Rede Sesc, por meio de seus departamentos regionais em articulação com outros parceiros, nas esferas pública e privada, busca ser transformadora. “O Festival Palco Giratório tem como motivo principal difundir as artes cênicas no território nacional, formando, assim, uma rede de trocas entre grupos e públicos. Sob o comando do Departamento Nacional do Sesc, mantém seu propósito atentando-se à amplificação das possibilidades que inscreve, avalizando a troca de saberes entre processos artísticos e públicos pelo país, permitindo que seus tantos giros resultem na construção de visões para outros mundos urgentes”.

Com a curadoria feita por representantes dos Departamentos Regionais do Sesc de cada estado do Brasil, o festival tem como propósito reverberar a abrangência e a qualidade das obras de diversas localidades do país. Tendo como aspecto chave a diversidade, a 21ª edição do Palco Giratório, que começou a circular no mês de março, totalizará 625 apresentações artísticas, somando mais de 1.600 horas de atividades em 132 cidades de 26 estados e Distrito Federal.


Em São Paulo, os sergipanos do Grupo Boca de Cena abrem a programação do Palco Giratório com o espetáculo de teatro de rua Os Cavaleiros da Triste Figura, livremente ins­pirado em Dom Quixote de La Man­cha e com direção de Fernando Yamamoto. Do estado vizinho, Alagoas, vêm Dança Anfíbia, da Cia dos Pés, que tem como mote a metáfora lançada por Gilberto Freyre, de ser a gente alagoana uma gente anfíbia, e também Magia, da Cia. Teatral Turma do Biribinha, cujo fundador, o Palhaço Biribinha, é o homenageado deste ano no Circuito Especial do projeto. Patrimônio vivo da cultura alagoana, Teófanes Antônio Leite da Silveira tem um histórico de engajamento e resistência nas artes circenses no Brasil.



De Pernambuco vêm os espetáculos de dança Como Manter-se Vivo?, de Flavia Pinheiro, que investiga a urgência de permanecer em movimento como um procedimento de sobrevivência, e Segunda Pele, do Coletivo Lugar Comum. Do Rio Grande do Norte, a Trapiá Cia. Teatral traz P’s. Completando a participação de grupos do Nordeste, espetáculos baianos, Looping: Bahia Overdub, de Felipe de Assis, Leonardo França e Rita Aquino, uma mistura de festa, dança e política, e Desastro, de Neto Machado.



Representando o Centro-Oeste, os goianos do Ateliê do Gesto apresentam O Crivo, espetáculo de dança inspirado na obra Primeiras Estórias, do escritor João Guimarães Rosa e o grupo Teatro do Concreto chega da capital do país com Entrepartidas, trazendo em seu histórico os prêmios de melhor espetáculo, direção, dramaturgia e ator no Prêmio Sesc do Teatro Candango 2011.



A Cia Caixa do Elefante, do Rio Grande do Sul, apresenta Cuco – A Linguagem dos Bebês no Teatro, enquanto seus conterrâneos, do Coletivo Errática, apresentam Ramal 340: Sobre a Migração das Sardinhas ou por que as Pessoas Simplesmente vão Embora, a Cia. Dos Palhaços, do Paraná, encena Concerto em Ri Maior, e o grupo O Imaginário, único representante da região Norte, aborda o universo feminino em As Mulheres do Aluá.


Os mineiros da Quatroloscinco – Teatro do Comum de Minas Gerais discutem, no espetáculo Fauna, temas como violência, desejo, liberdade, confissão e desamparo referenciados na obra do filósofo Vladimir Safatle.

Do Rio de Janeiro vêm os espetáculos A Salto Alto - Entre Gentilezas e Extermínios, da Circo no Ato, uma sátira da fábula romântica da Cinderela em meio a críticas ao consumismo desenfreado da sociedade atual, e Eles Não Usam Tênis Naique, da Cia. Marginal, que aborda a realidade na periferia, assim como os paulistanos do Coletivo Negro, em Farinha com Açúcar ou Sobre a Sustança de Meninos e Homens. Também de São Paulo, o Circo Amarillo apresenta Clake, um espetáculo de palhaçaria cômica física e musical, e a La Cascata Cia. Cômica, com seu humor ácido em Animo Festas, completa as apresentações da 21ª edição do Palco Giratório.



Além dos bate-papos com os artistas, que acontecem após todas as apresentações do Palco Giratório, a programação traz ainda quatro momentos para reflexão e discussão com alguns dos grupos participantes, chamados Pensamento Giratório, e uma oficina de acrobacias de solo com a Cia. Teatral Turma do Biribinha.


Programação completa:


Os Cavaleiros da Triste Figura

Grupo Boca de Cena (SE)

Teatro de rua I livre I 60 minutos

Resultado do encon­tro cênico do Grupo Boca de Cena e seus colaboradores com a literatura de Miguel de Cervantes. Livremente ins­pirado em Dom Quixote de La Man­cha, a história que se pretende retratar extrapola a literatura e se contamina por toda a realidade circundante, em forma de sonho (ou delírio). Neste Dom Quixote, denominado Os cava­leiros da triste figura, um grupo de atuadores, em praça pública, insiste em instaurar suas histórias. Desfazendo-se e reinventando-se a cada golpe, perme­ados por loucuras e delírios, alimentam um desejo excêntrico, cada vez mais desacreditado: transformar o mundo!

Dramaturgia: César Ferrário

Direção: Fernando Yamamoto

Elenco: Felipe Mascarello, Gustavo Floriano, Rogério Alves e Thayres Diniz

Dias 3/08, 4/08 e 5/08, sexta, às 21h, sábado, às 21h e domingo, às 18h IGrátis

Sesc Ipiranga


Clake

Circo Amarillo (SP)

Comédia I livre I 50 minutos

Espetáculo cômico que acentua o trabalho da dupla Marcelo Lujan e Pablo Nordio como palhaços excêntricos musicais. Sequências de gags clássicas são combinadas com a linguagem contemporânea da dupla e resultam num espetáculo de palhaçaria cômica física e musical. Uma interessante experiência de sonoridades e circo que diverte o público de todas as idades.

Elenco: Esteban Adrian Hetsch e Pablo Nordio

Direção: Domingos Montagner

Dias 4/08 e 5/08, sábado, às 16h e domingo, às 16h I Grátis

Sesc Jundiaí



Concerto em Ri Maior

Cia dos Palhaços (PR)

Comédia musical I livre I 70 minutos

Comédia musical que surgiu em 2005 a partir de jogos de improvisação do palhaço com a música. O maestro e palhaço Wilson Chevchenco, de origem russa, apresenta um concerto e, já que não fala português, conta com a ajuda de seu fiel amigo, Sarrafo, para ser compreendido pela plateia. O concerto conta ainda com um coral, integrado pelo público. O espetáculo tem muita música – com vários instrumentos, como piano, violão, acordeom, gaita, castanholas e harmônica –, dança, improvisação e participação da plateia.

Direção artística: Felipe Ternes de Oliveira I Direção musical e trilha sonora: Eliezer Vander Brock I Elenco: Eliezer Vander Brock (Palhaço Wilson) e Felipe Ternes de Oliveira (Palhaço Sarrafo)

Dias 4/08 e 5/08, sábado, às 20h e domingo, às 19h I R$ 20,00; R$ 10,00 e R$ 6,00

Sesc Santo André


Fauna

Quatroloscinco – Teatro do Comum (MG)

Peça-conversa I 16 anos I 80 minutos

“Ei, você me conhece? Posso me aproximar? Eu sou só um animal vivo. ” Nesta peça-conversa, dois atores convidam o público a explo­rar a dimensão política dos afetos. Corpos e discursos se misturam e se confundem para desconstruírem identidades pessoais e coletivas. Estreado em 2016, Fauna rompe a narrativa tradicional, atenuando os limites físicos entre palco e plateia e criando um circuito de situações que levam o espectador para dentro da cena. Referenciada pela obra O circuito dos afetos: corpos políticos, desamparo e o fim do indivíduo, do filósofo Vladimir Safatle, a peça dis­cute temas como violência, desejo, liberdade, confissão e desamparo.

Direção: Italo Laureano I Texto e atuação: Assis Benevenuto e Marcos Coletta I Provocação criativa: Alexandre Dal Farra

Dias 4/08 e 5/08, sábado, às 20h e domingo, às 17h I R$ 20,00; R$ 10,00 e R$ 6,00

Sesc Belenzinho



Pensamento Giratório

Nossa proposta é compartilhar e discutir ideias sobre a prática de grupo como um espaço propício para a criação de uma micropolítica e uma ética própria. Questões como autoria compartilhada, individualidade e coletividade, divisão de funções, não hierarquia, ausência da figura do diretor e relação com o espectador são abordadas nesta conversa aberta aos interessados no fazer artístico em coletivo.

Dia 5/08, domingo, após a apresentação I Grátis

Sesc Belenzinho


Como Manter-se Vivo?

Flavia Pinheiro (PE)

Dança/Performance I livre I 50 minutos

Este espetáculo investiga a urgência de permanecer em movimento como um procedimento de sobrevivência. Um questionamento de como nos relacionamos com a imaterialidade da proposta pela interface dos dispositivos e a certeza da nossa imper­manência. Como continuar em movimen­to? Como resistir ao desequilíbrio e à ins­tabilidade da existência? Como persistir no tempo? Uma prática circular que, por não desistir, sucumbe a falha eterna e inerente da matéria. A certeza de que este momento nunca mais vai se repetir e que talvez fosse melhor se não estivéssemos aqui.

Criação, Performance e Direção de Arte: Flavia Pinheiro

Dias 8/08 e 9/08, quarta e quinta, às 21h I R$ 20,00; R$ 10,00 e R$ 6,00

Sesc Belenzinho



Pensamento Giratório I

Pensar o corpo e sua vitalidade em movi­mento em interface com outras linguagens e tecnologias analógi­cas e digitais. A potência e falência da vida como impulso para a criação de um mundo em colapso. O diálogo se estabelece com criadores que estejam nesta deriva ou pensem a catástrofe, o de­sastre atravessado pela ideia de uma sobrevivência distópica.

Dia 9/08, quinta, após a apresentação l Grátis

Sesc Belenzinho



Eles Não Usam Tênis Naique

Cia. Marginal (RJ)

Ficção I 14 anos I 75 minutos

Ambientado numa favela do Rio de Janeiro, este espetáculo narra o reencontro de um pai e uma filha que não se viam há muitos anos. Ele foi traficante nos anos 1980, quando o comércio ilegal de drogas ainda mantinha um vínculo moral com a comunidade. Ela é uma jovem traficante nos dias atuais. O espetáculo gira em torno de um embate ideológico entre os dois personagens, representados em cena por quatro atores que se alternam sucessivamente nos dois papéis, num jogo cênico em que nenhuma posição é fixa e onde a ficção está sempre sob o risco da realidade.

Direção: Isabel Penoni I Texto: Marcia Zanelatto I Intervenção dramatúrgica: Cia Marginal I Elenco: Geandra Nobre, Jaqueline Andrade, Phellipe Azevedo, Rodrigo Souza e Wallace Lino

Dias 9/08 e 10/08, quinta, às 20h e sexta, às 20h I R$ 20,00; R$ 10,00 e R$ 6,00.

Sesc Sorocaba



P’s

Trapiá Cia. Teatral (RN)

Drama | 14 anos I 57 minutos

No livro Eu, Pierre Rivière, que degolei minha mãe, minha irmã e meu irmão, Michel Foucault descreve e analisa um caso real de parricídio acontecido na primeira metade do século XIX. Inspirado na obra de Foucault, este espetáculo de Gregory Haertel traz para uma vila do sertão nordestino a história de P, jovem que assassina brutalmente alguns familiares seus. Focando nas intensas contradições do personagem e passando por momentos que vão desde a sua infância até o seu suicídio, o texto procura trazer à tona o homem além do seu ato, não com o intuito de explicá-lo e diminuir a gravidade do que fez, mas com a vontade única de nos aproximar dele e, com isto, talvez também nos aproximar de nós mesmos. P’s coloca em discussão a memória, a psiquiatria, a justiça e o amor desmedido.

Direção: Lourival Andrade I Texto: Gregory Haertel I Atuação: Alexandre Muniz

Dias 10/08 e 11/08, sexta, às 20h e sábado, às 20h I R$ 20,00; R$ 10,00 e R$ 6,00

Sesc Campo Limpo



Segunda Pele

Coletivo Lugar Comum (PE)

Dança I 16 anos I 70 minutos

Quantas peles habitam nosso corpo? Pelo, casca, casa, cidade, olhar, pudor, prazer, cortes, avessos, toques, sorrisos, sons, leite, vento, chuva, memórias. Este espetáculo leva para cena corpos em troca de peles, em transformação, em desnudamentos. Movi­mentando entendimentos sobre a diversidade de corpos, pelas infinitas possibilidades do ser, e por tudo que ainda precisa ser discutido sobre padrões vigentes em nossa sociedade. Nessa ambientação de peles que escamam ao longo da cena, revelam-se histórias, corpos e experiências de vida das quatro dançarinas do elenco. Em 2016, numa recriação coleti­va, Segunda Pele reestreou de roupa nova, com novas vestes e novos desnudamentos em cena, ampliando o mergulho experimentado na montagem anterior.

Concepção: Liana Gesteira, Maria Agrelli, Maria Clara Camarotti, Renata Muniz, e Silvia Góes

Intérpretes-criadoras: Liana Gesteira, Maria Agrelli, Maria Clara Camarotti, Renata Muniz, e Silvia Góes

Dias 10/08 e 11/08, sexta, às 21h30 e sábado, às 21h30 I R$ 20,00; R$ 10,00; R$ 6,00

Sesc Belenzinho


A Salto Alto - Entre Gentilezas e Extermínios

Circo no Ato (RJ)

Circo I livre I 50 minutos

Entre gentilezas e extermínios, este espetáculo circense conta a história de sete pessoas que, ao terem acesso a outra maneira de viver, se despem de suas experiências para vestir essa outra realidade. O enredo se desenrola a partir do tensionamento entre um ambiente formal e refinado e personagens que, em sua essência, carregam a irreverência de quem precisa se reinventar e ressignificar a vida a cada instante. A fábula romântica da Cinderela é satirizada em meio a críticas ao consumismo desenfreado da nossa sociedade.

Direção: Circo No Ato e Roberto Magro I Dramaturgia: Diogo Liberano I Elenco: Carol Costa, Camila Krishna, Luís Fernando Martins, Mário Martins, Natássia Vello, Rafael Garrido e Júlio Nascimento.

Dias 11/08 e 12/08, sábado, às 21h e domingo, às 18h. I R$ 20,00; R$ 10,00 e R$ 6,00

Sesc Bom Retiro



Desastro

Neto Machado (BA)

Dança I livre I 50 minutos

É como se os personagens de Star Wars dançassem ao som de David Bowie num episódio dos Power Rangers. Voltada, principalmente, para crianças e adolescentes, Desastro é uma co­reografia neon, uma ideia de fu­turo inventada no passado, um universo construído a partir de um vômito de luz, tão apoteó­tico quanto um strobo forjado com o interruptor do quarto. Uma peça ao som de versões do hit Space Oddity de Bowie so­bre um tal de Major Tom, numa viagem rumo ao desconhecido. Desastro é dança, mas não exa­tamente uma coreografia com passos no ritmo da música. É teatro, mas sem apego a uma história com início, meio e fim. É um concerto de rock’n roll, mas sem banda nem cantor. Desastro é o poder de dar luz a novos mundos.

Concepção e direção: Neto Machado I Criação e performance: Bernardo Stumpf, Isaura Tupiniquim, Jorge Alencar, Jorge Oliveira e Neto Machado.

Dias 11/08 e 12/08, sábado, às 20h e domingo, às 19h I R$ 20,00; R$ 10,00 e R$ 6,00.

Sesc Santo André


Entrepartidas

Teatro do Concreto (DF)

Teatro de rua I 16 anos I 165 minutos

Início da noite, a cidade se move como um complexo organismo. É hora do embar­que! O público toma um ônibus e viaja pelas ruas da cidade onde conhece diversos personagens que se equilibram no fio do tempo, lembrando-nos que a vida é feita de encontros e instantes. Um espetáculo que fala, sobretudo, daquilo que é efême­ro, chegadas e partidas, saudades, desejos, possibilidades, vida e morte. A viagem pela cidade como pretexto para viajar pelas ruas de si mesmo. Este espetáculo é resultado de dois anos de pesquisa do Teatro do Concreto sobre o tema “amor e abandono na sociedade contemporânea” e foi agraciado com os prêmios de melhor espetáculo, direção, dramaturgia e ator no Prêmio Sesc do Teatro Candango 2011.

Direção: Francis Wilker I Dramaturgia: Jonathan Andrade I Elenco: Adilson Dias, Diogo Vanelli, Gleide Firmino, Giselle Ziviank, Jhony Gomantos, Luiza Guimarães, Maria Eugênia Félix, Micheli Santini e Nei Cirqueira

Dia 16/08, às 19h I R$ 20,00; R$ 10,00 e R$ 6,00

Sesc Jundiaí

Dia 18/08, 17h I R$ 20,00; R$ 10,00 e R$ 6,00

Sesc Ipiranga



Pensamento Giratório

Arte e espaço urbano: possíveis (des)programações do existente A partir da experiência do Teatro do Concreto e do diretor Francis Wilker na investigação das relações entre a cena e a cidade, pretende-se organizar um debate em cada localidade para refletir e compartilhar olhares acerca do tema. Por se tratar de um assunto de natureza transdisciplinar (artes, arquitetura, geografia, sociologia), a ideia é convidar em cada cidade um ou dois artistas e/ou pesquisadores que possam compor uma paisagem de diálogo que ultrapasse o universo das artes e amplie as reflexões sobre o tema arte e cidade, tão pulsante em nossos dias. Na oportunidade, também será realizado o lançamento de duas publicações que envolvem o Teatro do Concreto: o livro "Encenação no Espaço Urbano" (editora HUCITEC) fruto da pesquisa de mestrado desenvolvida na ECA-USP pelo diretor Francis Wilker entre 2012 e 2014; e do livro "Do Concreto [inventário fotográfico] uma década de teatro", do fotógrafo Thiago Sabino que registrou em imagem dez anos de intensa criação do grupo.

Dia 19/08, às 18h I Grátis

Sesc Ipiranga



Ramal 340: sobre a migração das sardinhas ou por que as pessoas simplesmente vão embora

Coletivo Errática (RS)

Teatro adulto I 18 anos I 80 minutos

Este espetáculo trama seis histórias envolvendo pessoas espalhadas no espaço e no tempo do mundo, pessoas ligadas pelo movimento, pelo desejo, pela falta ou simplesmente pela completa incompreensão da própria experiência. Um homem espera pelo pai na plataforma da estação de trem, outro arruma as malas enquanto sua mulher as desarruma, outra mulher não dorme por causa de um sonho e ainda outra segue para o outro lado do mundo atrás de alguém que lhe escreveu uma carta. Tudo acontece enquanto um homem caminha sem parar atrás da filha e outro foge atormentado por uma imagem de trinta anos atrás. São narrativas que não são causas ou consequências umas das outras; concorrem no tempo e no espaço e se atravessam na cena em movimento constante.

Direção: Jezebel De Carli I Dramaturgia: Francisco Gick I Elenco: Diogo Rigo, Francisco Gick, Guega Peixoto, Gustavo Dienstmann, Mani Torres e Nina Picoli

Dia 16/08, 17/08, quinta, às 20h e sexta, às 20h I R$ 20,00; R$ 10,00; R$ 6,00

Sesc Sorocaba



Dança Anfíbia

Cia dos Pés (PE)

Dança contemporânea I 16 anos I 50 minutos

A metáfora lançada por Gilberto Freire, de ser “a gente alagoana uma gente anfíbia”, é o ponto de partida deste espetáculo. Pensamos num ser anfíbio como aquele que, mais que sobreviver em um ambiente, cria condições de criação e se faz nesse ambiente, reinventando-se em meio a processos adaptativos. Dança anfíbia propõe um mergulho nas possibilidades evolutivas que a vontade de criar é capaz de gerar, entendendo o processo de criação em dança como um processo adaptativo. Este processo implica em lançar-se nos riscos das descobertas, dos devires e das relações, admitindo as ambiguidades, ambivalências e contradições humanas como potencias de inventividade.

Direção: Telma César I Coreografia: Cia dos Pés I Performers: Edson Santos, Joelma Ferreira e Reginaldo Oliveira

Dias 15/08 e 16/08, quarta e quinta, às 21h I R$ 20,00; R$ 10,00 e R$ 6,00

Sesc Ipiranga



O Crivo

Ateliê do Gesto (GO)

Dança I livre I 45 minutos

Dois homens criam relações que só se revelam à medida que atravessas suas histórias – o Sertão – ao som fazendeiro, de galo cantando, vento batendo em meio a folhas das árvores. Nesse atravessamento, diálogos e contatos são travados entre os dois, para mergulharem juntos em busca do que muda e do que permanece em cada um, na descontinuidade do tempo, onde se faz fim e o rio escorre em corpos físicos até a exaustão de ser quem se é: entre o nada e alguma coisa, a mais ínfima e completa edição do ser humano, numa dramaturgia de mistério, convivência e comoção. Inspirado na obra Primeiras Estórias, do escritor João Guimarães Rosa.

Direção geral e foreografia: João Paulo Gross

Pesquisa de movimento: João Paulo Gross e Carolina Ribeiro

Dias 17/08, 18/08, sexta, às 21h e sábado, às 21h I R$ 20,00; R$ 10,00 e R$ 6,00

Sesc Bom Retiro



Animo Festas

La Cascata Cia. Cômica (SP)

Circo I18 anos I 50 minutos

O universo do palhaço é personi­ficado na sombria figura de Klaus, que narra suas memórias em festas infantis. Klaus sobrevive de performances em festas infantis e narra suas memórias no submundo desses eventos, ao som de rock, música francesa e trilhas infantis dos anos 1980. O paulistano Marcio Douglas, criador da La Cascata Cia. Cômica, encarna o anti-herói da palhaçaria. Esse freakshow de humor ácido reflete sobre questões como o valor do trabalho artístico, a felicidade e a sobrevivência.

Criação, direção e atuação: Marcio Douglas

Dias 18/08 e 19/08, sábado, às 21h e domingo, às 18h I R$ 20,00; R$ 10,00 e R$ 6,00

Sesc 24 de Maio



Looping: Bahia Overdub

Felipe de Assis, Leonardo França e Rita Aquino (BA)

Dança I 18 anos I 90 minutos

Festa, dança e política. As festas de largo de Sal­vador e suas contradições são a paisagem predo­minante do espetáculo, que emerge do encon­tro entre pensamento sonoro e pensamento coreográfico. Looping constitui um estudo do tempo: repetição e acumulação. Movimentos de tensão e distensão da cultura, através de proce­dimentos que organizam sonoridades, corpos e espaços. Assim como nas ruas, o que está em jogo são arranjos coletivos através de uma par­ticipação estético-política.

Concepção e criação: Felipe Assis, Leonardo França e Rita Aquino I Criação musical: Mahal Pita e Felipe de Assis I Músicos: Ícaro Sá e Edbrass Brasil I Intérpretes-criadores: Bruno de Jesus, Jai Bispo, Jaqueline Elesbão, Laís Oliveira, Leonardo França, Rita Aquino e Talita Gomes

Dias 18/08 e19/08, sábado, às 20h e domingo, às 18h I R$20,00,R$ 10,00 e R$ 6,00

Sesc Campo Limpo



As Mulheres do Aluá

O Imaginário (RO)

Teatro adulto I 14 anos I 60 minutos



Mulheres de diferentes épocas que foram condenadas, num período em que o pensamento-homem é que determinava a condição de cada uma delas. Com histórias marcadas pelas violências e pelas dificuldades enfrentadas em um ambiente hostil e opressor do passado na Amazônia. Uma inves­tigação cênica que coloca em foco a relação de gênero e o universo fe­minino. Quem são essas mulheres?

Elenco: Agrael de Jesus, Amanara Brandão, Flávia Diniz e Zaine Diniz I Dramaturgia: Euler Lopes Teles

Dia 23/08 e 24/08, quinta, às 20h e sexta, às 20h I R$ 20,00; R$ 10,00 e R$ 6,00

Sesc Jundiaí


Farinha com Açúcar ou Sobre a Sustança de Meninos e Homens

Coletivo Negro (SP)

Teatro adulto I16 anos I90 minutos

Na "peça-show", busca-se uma relação íntima com o público por meio da palavra falada e cantada. Para isso, utiliza-se a construção poética da presença cênica: paisagens sonoras e imagéticas materiali­zam-se por meio do ato de contar, expor, celebrar, refletir e dialetizar a experiência de ser homem negro na urbanidade periférica. A obra é também uma homenagem ao legado dos Racionais MCs.

Idealização, atuação, direção geral e dramaturgia: Jé Oliveira

Banda: Cássio Martins (baixo), Dj Tano – Záfrica Brasil (DJ), Fernando Alabê (percussão e bateria), Melvin Santhana (Guitarras, violão e voz), Raphael Moreira (pianos e MPC)

Dias 25 e 26/08, sábado, às 20h e domingo, às 19h I R$ 20,00; R$ 10,00 e R$ 6,00

Sesc Santo André


Cuco – A Linguagem dos Bebês no Teatro

Cia Caixa do Elefante (RS)

Teatro infantil I livre I 60 minutos

As fronteiras do tempo, das formas e dos sentidos se intercambiam entre o real e o imaginável, entre o possível e o surreal. Essa é a atmosfera criada pelo espetáculo, como um jogo entre o esconder e o revelar, em meio a experiências lúdicas e estéticas dos bebês. A brincadeira friccional de criar e dar sentidos assume formas diversas, como um ninho e uma cama acolchoada, num espalho que acolhe fantasias, surpresas e tudo o que é percebido e colecionado a cada momento pela sensibilidade das crianças pequenas.

Roteiro e direção: Mário de Ballentti I Pesquisa e concepção pedagógica: Paulo Fochi I Elenco: Ana Luiza Bergmann e Bruna Baliari Espinosa

Dias 25/08 e 26/08, sábado e domingo, às 11h I R$ 17,00; R$ 8,50 e R$ 5,00

Sesc 24 de Maio



Magia

Cia. Teatral Turma do Biribinha (AL)

Circo-teatro I livre I 50 minutos + números de variedades (30 minutos)

Produzir e dirigir um filme sem elenco e sem dinheiro? Só se for com magia. E assim começa a saga de um palhaço que é contratado para este desafio. Sem a mínima condição, mas também sem poder abrir mão desta oportunidade, Biribinha usa velhos truques de mágica aprendidos no circo para fazer o filme e tentar colorir mais uma vez a sua vida, que estava meio sem cor. Nesta jornada, ele descobre que é dentro de si, mais precisamente em seu coração, que está a verdadeira fonte de transformação. Descobre que o amor, o riso, a fé e as brincadeiras podem leva-lo a uma jornada cheia de surpresas, divertidos momentos em que o público atua como elenco e o ajuda a vencer este grande desafio.

Direção: João Lima

Texto e interpretação: Teófanes Silveira (Biribinha)

Dias 18/08, 19/08, sábado e domingo, às 16h I Grátis

Sesc Campo Limpo



Oficina

Iniciação a acrobacias de solo (primeiras noções)

Com Felipe Abreu e Romina Sanchez

Adolescentes a partir de 12 anos I 4 horas de duração I 20 vagas

Dia 16/08, quinta, às 14h I Grátis

Sesc Campo Limpo



Pensamento Giratório

Vamos trazer para reflexão e debate o significado da comemoração dos 60 anos de carreira do Biribinha. Será uma viagem pela história do circo e dos palhaços tradicionais, refletindo e discutindo sobre as perdas e ganhos do artista circense durante sua trajetória. É também momento de traçar novos planos, firmar novas parcerias e, acima de tudo, comemorar!

Dia 17/08, sexta, às 20h I Grátis

Sesc Campo Limpo



Serviço:

Palco Giratório 2018

De 3 e 26 de agosto

Ingressos a venda pelo Portal e nas bilheterias das unidades do Sesc no Estado de São Paulo.



Unidades

24 de Maio l Rua 24 de Maio, 109. São Paulo

Belenzinho l R. Padre Adelino, 1000. São Paulo

Bom Retiro l Alameda Nothmann, 185. São Paulo

Campo Limpo l R. Nossa Sra. do Bom Conselho, 120. São Paulo

Ipiranga l R. Bom Pastor, 822. São Paulo

Santo André l R. Tamarutaca, 302. Santo André

Sesc Jundiaí l Av. Antônio Frederico Ozanan, 6600

Sesc Sorocaba l Rua Barão de Piratininga, 555



DE OLHO NA CENA ® 2015 - Todos os Direitos Reservados
. . . . . . . . . . . .

DE OLHO NA CENA BY NANDA ROVERE - TUDO SOBRE TEATRO, CINEMA, SHOWS E EVENTOS Sou historiadora e jornalista, apaixonada por nossa cultura, especialmente pelo teatro.Na minha opinião, a arte pode melhorar, e muito, o mundo em que vivemos e muitos artistas trabalham com esse objetivo. de olho na cena, nanda rovere, chananda rovere, estreias de teatro são Paulo, estreias de teatro sp, criticas sobre teatro, criticas sobre teatro adulto, criticas sobre teatro infantil, estreias de teatro infantil sp, teatro em sp, teatros em sp, cultura sp, o que fazer em são Paulo, conhecendo o teatro, matérias sobre teatro, teatro adulto, teatro infantil, shows em sp, eventos em sp, teatros em cartaz em sp, teatros em cartaz na capital, teatros em cartaz, teatros em são Paulo, teatro zona sul sp, teatro zona leste sp, teatro zona oeste sp, nanda roveri,

CRISOFT - Criação de Sites ® 2005
HOME PAGE | QUEM SOU | TEATRO ADULTO | TEATRO INFANTIL | MULTICULTURAL | CONTATO
CRÍTICAS OPINIÕES CINEMA
MATÉRIAS MATÉRIAS SHOWS
ESTREIAS ESTREIAS EVENTOS